Tão importante quanto à qualidade do frango e sua origem, é a higienização do local onde as aves são abatidas. Nesse quesito, a Coasul Cooperativa Agroindustrial não mede esforços para garantir que seus produtos atendão aos mais altos padrões de qualidade, sustentabilidade e competitividade. Uma das ferramentas é investir na higienização e limpeza do abatedouro de aves da cooperativa em São João (PR). Para isso uma equipe inicial de 30 pessoas está recebendo treinamento teórico e prático da Mustangpluron, empresa especialista em químicos que vai atender as necessidades da nova indústria.

Com inauguração marcada para o dia 12 de novembro, às 14 horas, o frigorífico vai abater em sua capacidade máxima 160 mil aves/dia. Como explica o encarregado da higienização, Roni Grolli, é preciso que após cada abate todo o abatedouro seja higienizado. “Desde a recepção das aves até as docas de carregamento do produto final, e do teto até as canaletas. Não passa nada, lâmpadas, forro, parede, máquinas e equipamentos. Isso tudo é norma da vigilância sanitária, do SIF (Serviço de Inspeção Federal) e do Ministério do Trabalho”, explica Grolli.

A equipe inicial deve aumentar conforme o aumento do número de abates. Esta ação toda, segundo Roni, “é a garantia para o consumidor, de que o produto que estará nas gôndolas dos supermercados, tem o mais alto grau de pureza, sem bactérias e quaisquer resíduos. Ele terá a certeza de que está comprando um frango do mais alto padrão de qualidade”.

Fonte: www.aviculturaindustrial.com.br

Categorias: -

Deixe uma resposta