Agora como IFSP a instituição tem importância de Universidade.

A Lafarge Gypsum comemora a transição do Centro Federal de Educação Tecnológica – CEFET em Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – IFSP. Em setembro do ano passado a empresa e a instituição iniciaram uma parceria inédita para a realização de cursos de qualificação profissional focados em tecnologia drywall.

Os cursos, ministrados pela equipe de monitores técnicos da Lafarge Gypsum, são dirigidos a arquitetos, engenheiros, técnicos, montadores e especificadores. A parceria possibilita também o desenvolvimento de novas tecnologias associadas ao sistema. O estudo dos sistemas drywall já foi incluído na cadeira “Tecnologia e Materiais de Construção” do IFSP. “A Lafarge Gypsum está constantemente investindo no desenvolvimento deste mercado e a profissionalização é um dos caminhos para chegarmos ao nosso objetivo. Por isso, é extremamente importante estar associado a uma instituição com a credibilidade do IFSP”, afirma Mario Castro, presidente da empresa.

Agora a instituição tem relevância de universidade o que significa autonomia administrativa, patrimonial, financeira, didático-pedagógica e disciplinar. “A nova estrutura promove a integração e a verticalização da educação, possibilitando que a infra-estrutura do campus, incluindo laboratórios e professores, seja utilizada pelos alunos de todos os níveis e modalidades de ensino, afirma a diretora de ensino do IFSP”, Tatiana Regina da Silva Simão.

Entre os objetivos do IFSP está o de ofertar educação profissional e tecnológica, em todos os seus níveis e modalidades, formando e qualificando cidadãos com vistas na atuação profissional nos diversos setores da economia, com ênfase no desenvolvimento socioeconômico local, regional e nacional.

Com a mudança, cada campus destinará 50% das vagas para os cursos técnicos, prioritariamente nas modalidades Integrada ao Ensino Médio e de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e, no mínimo, 20% das vagas para os cursos de Licenciatura, sobretudo nas áreas de Ciências e da Matemática. Complementarmente, continuará oferecendo cursos de curta duração, tecnológicos, engenharias e pós-graduação.

Lafarge Gypsum – Desde 1995 no mercado brasileiro, a Lafarge Gypsum é referência de tecnologia e qualidade em sistemas drywall. Possui no país uma ampla rede autorizada de empresas de montagem e distribuidores que oferecem uma gama completa de chapas, perfilados metálicos, materiais para acabamento, fixações e acessórios.

Grupo Lafarge – A Lafarge é líder mundial em materiais de construção, com posições de destaque em todas as suas atividades: Cimento, Concreto & Agregados e Gesso (Drywall). Com 90 mil empregados em 76 países, o Grupo Lafarge registrou um faturamento de 17,6 bilhões de euros e um lucro líquido de 1,9 bilhão de euros, em 2007. A Lafarge é a única empresa de materiais de construção a integrar em 2008 a lista Global 100 que relaciona as 100 empresas mais sustentáveis do mundo.

No Brasil, a empresa possui aproximadamente 1,5 mil funcionários e unidades industriais nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Pernambuco.

Na Divisão Cimento, a Lafarge conta com fábricas nas cidades de Arcos, Matozinhos, Montes Claros e Santa Luzia, em Minas Gerais; e em Cantagalo, no Rio de Janeiro. Suas principais marcas comercializadas são: Mauá, Campeão e Montes Claros. Na atividade Gesso, são duas fábricas em Pernambuco, nas cidades de Petrolina e Araripina, responsáveis por duas linhas de produtos: Gypsum Drywall e Qualigesso. A Divisão

Concreto possui 52 unidades nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Para a produção de agregados, a Lafarge conta com três áreas de mineração de grande porte, uma no Rio de Janeiro e duas em São Paulo.| Site www.gypsum.com.br

Perfil do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP – O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP é uma autarquia federal de ensino. Fundada em 1909, como Escola de Aprendizes Artífices, é reconhecida pela sociedade paulista por sua excelência no ensino público gratuito de qualidade. Durante seus 100 anos de história, recebeu, também, os nomes de Escola Técnica Federal de São Paulo e Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo.

Tem atuação prioritária na oferta de Educação Tecnológica nos seus diversos níveis e atua, ainda, na formação de professores, ensino médio e pesquisa tecnológica. Com o plano de expansão da rede federal de ensino, há a previsão de que cada campus atenda cerca de mil alunos, tenha de 40 a 60 professores e 50 funcionários administrativos, além de encarregados de limpeza e de vigilância. O custo anual das escolas é de R$ 2,5 milhões a R$ 3 milhões, incluindo os salários e a manutenção.

O Instituto possui aproximadamente 8,5 mil alunos matriculados nos 11 campi divididos pelo estado de São Paulo (Bragança Paulista, Campo do Jordão, Caraguatatuba, Cubatão, Guarulhos, Salto, São Carlos, São João da Boa Vista, São Paulo, São Roque, Sertãozinho). Há, ainda, a previsão de abertura de mais 13 campi até 2010 nas cidades de Araraquara, Avaré, Barretos, Birigui, Campinas, Catanduva, Hortolândia, Itapetininga, Piracicaba, Presidente Epitácio, Registro e Suzano.| www.cefetsp.br

 Fonte: www.revistafator.com.br

Categorias: -

Deixe uma resposta