Por Laura Overton

Um momento crucial para a inovação na aprendizagem

Laura Overton analisa o estudo de benchmark recentemente lançado para discutir por que agora é um momento crucial para aqueles que trabalham em T&D e o que podemos aprender com as empresas top em aprendizagem.

Ao analisar os dados de 500 organizações para o estudo de benchmark de 2012, foi logo evidente que este foi um ano muito central na nossa indústria. Foi o ano em que despertamos para o potencial das tecnologias de aprendizagem.

O que mudou?

 

As organizações estão começando a entender o potencial de abordagens de aprendizagem novas para nos ajudar a chegar mais perto das necessidades do local de trabalho.

O estudo mostrou que 9 em cada 10 empresas acreditam que é importante integrar mais a aprendizagem em suas diferentes funções empresariais, como vendas, marketing, produção e serviços ao cliente.

Este ano, mais do que nunca, os profissionais de T&D estão focando nas tecnologias de aprendizagem para ajudá-los a alcançar este objetivo. Mais de 90% das organizações estão olhando para a tecnologia como ajuda para partilhar boas práticas dentro da organização, para ajudar a acelerar e melhorar a aplicação do aprendizado no fluxo de trabalho, para ajudá-los a melhorar a gestão de talentos e desempenho e para ajudá-los a responder mais rapidamente às mudanças nos negócios .

” Mais de 90% das organizações estão olhando para a tecnologia como forma de ajudá-los a partilhar boas práticas dentro da organização, para ajudar a acelerar e melhorar a aplicação do aprendizado no fluxo de trabalho “

Resultados bom demais para serem ignorados

 

O estudo mostra também que a aprendizagem baseada em tecnologia começa a dar frutos, indo além dos resultados básicos e economizando dinheiro para fornecer valor aos negócios, notadamente na botton line. A evidência é sólida e este ano, pela primeira vez, analisamos o impacto relatado por 700 organizações nos últimos 30 meses para identificar os benefícios que outras organizações podem esperar.

Esta análise revelou como as empresas que utilizam tecnologias de aprendizagem são capazes de lançar novos produtos, serviços e sistemas de TI 20% mais rápido, relatou uma melhoria adicional de 22% na produtividade e até mesmo influenciou a melhora tanto no engajamento dos funcionários como nas taxas de satisfação dos clientes (16% de melhora em média) . Ela também destaca que as empresas estavam entregando esses resultados de forma mais eficiente, alcançando uma melhoria de 23% no tempo de estudo, tempo de entrega 24% mais rápido, redução de 22% nos custos de treinamento, melhoria de 26% no alcance do aprendizado e melhoria de 16% no desenvolvimento de competências.

Oportunidades perdidas em T&D

 

Embora exista uma fome de mudança no ar, o relatório destaca que estamos perdendo algumas oportunidades importantes. Por exemplo 95% dos profissionais de educação neste estudo estavam ansiosos para encontrar formas de exploração e partilha de boas práticas dentro da empresa, mas apenas 25% disseram que eles são atualmente capaz de alcançá-las. Por que isso? Nós temos mais ferramentas disponíveis para nos ajudar do que nunca antes, mas não estamos necessariamente aproveitando a oportunidade que elas trazem.

Um exemplo disso é o uso de mídias sociais. Vimos um aumento em 2012, de 45% das organizações que usam sites de mídia social e 29%  que utilizam mídias sociais internas no mix de aprendizagem. Mas apenas uma em cada cinco dessas organizações estão ativamente incentivando seus funcionários a usar essas ferramentas para resolver problemas em conjunto. O relatório explora muitos outros exemplos, mas o padrão é claro – as ferramentas estão disponíveis, mas não estamos aproveitando-as de forma eficaz.

O que podemos aprender com as empresas top de aprendizagem?

Não é surpresa, então, que nem todo mundo consegue os resultados que procura. No entanto, descobrimos que as principais empresas de aprendizagem estão conseguindo importantes benefícios adicionais através da aplicação da tecnologia na aprendizagem de forma mais criativa. Elas são duas vezes mais propensos do que uma empresa média a informar que o uso de tecnologia de aprendizagem ajudou-as a partilhar boas práticas, melhorar o desempenho, talento, responder mais rapidamente às mudanças do negócio, acelerar a aplicação do aprendizado no trabalho e melhorar o envolvimento pessoal.

Então o que podemos aprender com eles? As principais companhias de aprendizagem entregam mais valor, mas eles também investem mais. Eles gastam 50% a mais de seus orçamentos em tecnologia de aprendizagem do que a organização da média. Eles também usam a tecnologia em quase o dobro de programas formais de aprendizagem do que a média (incluindo programas críticos de negócios em torno da liderança e atendimento ao cliente) e são quase duas vezes mais propensos a investir no desenvolvimento profissional contínuo para suas equipes de T&D.

Elas são mais propensas a alocar seus recursos de aprendizagem (tempo, pessoas e orçamento) para o desenvolvimento da estratégia, conteúdo, planejamento e colaboração apoiando ativamente a aprendizagem informal que a média. As principais companhias de aprendizagem também são pró-ativas e o relatório está cheio de exemplos de ações que estão sendo tomadas, elas são 20 vezes mais propensas a incentivar os funcionários a colaborar e compartilhar problemas usando as mídias sociais. Elas ‘trabalham’ as ferramentas disponíveis para sua vantagem, e resultados do negócio.

” O relatório mostra que precisamos de tomar medidas, se quisermos alcançar a visão de integrar a aprendizagem com o trabalho. “

Benchmarking com o melhor

 

O relatório mostra que precisamos tomar medidas, se quisermos alcançar a visão de integrar a aprendizagem com o trabalho. As conclusões ressaltam que, como indústria, estamos melhorando o alinhamento de nossa aprendizagem com as prioridades de negócio e comunicando nossos sucessos. Este processo de referência nos ajuda a acompanhar o progresso individual e coletivamente e foi ajudado enormemente pelo trabalho de grupos do setor, como ELIG, o Learning and Performance institute, o Learning and Skills Group e o Towards Maturity Ambassadors que fizeram a pesquisa possível.

Mesmo com aprendizes relutantes em se envolver com tecnologia, líderes empresariais indiferentes, ou formadores tradicionais lentos para atualizar as suas competências, as equipes de T&D ainda precisam explorar as técnicas de aprendizagem que estão lá para ajudar nossas organizações a crescer. Este benchmark irá fornecer-lhes a inspiração necessária para tomar medidas e as provas para ajudar a abrir novas conversas com as partes interessadas porém relutantes.

É um momento crucial para a indústria – a oportunidade e desejo de mudança é mais forte do que nunca.

Laura Overton é diretora da Towards Maturity.

Adaptado de http://www.trainingzone.co.uk


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *