Entre os temas abordados no treinamento estão a utilização dos equipamentos de última geração disponíveis na unidade

Enfermeiros e técnicos de enfermagem que passaram no concurso público para o Instituto de Cardiologia Aloysio de Castro (Iecac), localizado no Humaitá, iniciaram treinamento teórico e prático para trabalhar na unidade que é referência no atendimento cardiológico no Estado do Rio. No total, 280 concursados, entre enfermeiros e técnicos em enfermagem, estão em treinamento desde o início de setembro.

Divididos em turmas, os novos profissionais generalistas estão sendo qualificados com o apoio de seis profissionais de saúde da própria unidade. Entre os temas abordados no treinamento estão a utilização dos equipamentos de última geração disponíveis na unidade, normas da Sociedade Brasileira de Cardiologia, doenças cardíacas, medicações, entre outros assuntos. A primeira etapa do treinamento termina esta semana. A segunda fase da capacitação será realizada com a presença de pacientes. Realizado em novembro de 2011, o concurso para o Iecac convocou cerca de 500 novos profissionais.

– Este é um hospital de cardiologia de alta complexidade, fazemos procedimentos aqui que não são vistos em outros hospitais. Por isso, sentimos a necessidade de treinar estes profissionais. Temos um setor de hemodinâmica de ponta (área que vai verificar o dano no coração), área de cirurgia cardíaca, além de colocação de marca passo e vários outros procedimentos que não são vistos fora de unidades como esta. Temos uma aparelhagem bem moderna e eles estão aprendendo a manusear estes equipamentos – explicou a gerente de enfermagem do Iecac, Eli do Amparo.

Para a técnica em enfermagem, Juliana Silva Cruz, de 27 anos, que trabalhará na UTI Adulto, a capacitação está sendo fundamental. “Acredito que é uma grande oportunidade de crescimento, evolução e aperfeiçoamento profissional, já que este é um hospital de referência”, disse.

A oportunidade de trabalhar com cardiologia era o sonho de Ana Paula Silveira, de 27 anos.  ” Sempre quis esta área, estou fazendo enfermagem, pretendo fazer pós em Cardiologia. Está sendo ótimo, os equipamentos são modernos, não deixam nada a desejar, sei porque estou vindo de uma unidade particular. Estou gostando muito da capacitação”,  afirmou.

Feliz em ter passado no concurso, o também técnico de enfermagem, Antônio Ferreira, de 38 anos, comemora a oportunidade.  “Estou adorando, é um treinamento de qualidade, vou trabalhar na Enfermaria Pediátrica”,  explicou

De acordo com o diretor geral do IECAC, Antonio Ribeiro, a unidade vem passando por reformas para garantir o melhor atendimento à população. Almoxarifado, elevadores, novas unidades cardiointensivas, salas de cirurgia, além de outros setores totalmente reformados vão beneficiar os pacientes que forem direcionados ao hospital.

– Tivemos um salto muito grande. A doença que mais incide é a do coração em qualquer lugar do mundo. Recebemos novos equipamentos de última geração e já estamos licitando, por exemplo, uma angiotomógrafo – disse.

Iecac

Fundado em 1964, o Instituto Estadual de Cardiologia Aloysio de Castro (Iecac) é referência do Estado no tratamento de doenças cardíacas em adultos e crianças.Possui o Ambulatório de Hipertensão Arterial Resistente, onde são tratados pacientes com diagnóstico de hipertensão arterial resistente de difícil controle através de consultas frequentes e realização de palestras durante o ano.

A unidade oferece desde 2003 um programa de prevenção e tratamento do tabagismo que atende gratuitamente à população. Os fumantes em tratamento, sejam pacientes internados ou externos, recebem apoio de psicólogos,psiquiatras, cardiologistas, odontologistas e fonoaudiólogos. O Iecac conta ainda com o Centro de Cardiologia do Exercício, que funciona desde 1960 e é pioneiro no país em reabilitação cardíaca. Já passaram pelo serviço mais de 50mil pacientes que fazem atividade física supervisionada duas vezes por semana durante seis meses com o objetivo de controlar a doença. Desse total, pelo menos 70% apresentam hipertensão arterial além da doença principal.

Fonte: http://correiodobrasil.com.br


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *