Insight: Será que estamos perdendo uma geração de habilidades?

Uma pesquisa recente com CEOs do Reino Unido descobriu uma preocupante “geração negligenciada” dos trabalhadores mais velhos. Esta nova pesquisa, encomendada pela SkillSoft , revela que 92% dos líderes de negócios do Reino Unido admitiram abertamente que não investem em treinamento e desenvolvimento de funcionários com mais de 60 anos de idade.

Com muitos funcionários escolhendo continuar a trabalhar além da idade de aposentadoria tradicional de 65 para compensar as baixas pensões, as empresas do Reino Unido estão ignorando habilidades valiosas e optando por não investir nesta geração crescente de trabalhadores mais velhos.

Kevin Young, gerente geral da EMEA em SkillSoft, disse: “Dois bilhões de pessoas terão mais de 60, em 2050, muitos dos quais permanecendo no emprego por mais tempo, as organizações precisam repensar seus planos de formação para acomodar essa crescente força de trabalho em processo de envelhecimento. A geração mais velha pode agregar valor para uma organização com sua experiência, e não investir em formação destes colaboradores, pode danificar o desenvolvimento futuro de qualquer negócio.

“Quase 85% dos chefes britânicos não consideram a formação dos colaboradores com mais de 60 anos como uma prioridade e o problema parece ser mais profundamente enraizado do que apenas uma questão de curto prazo ou um exercício de corte de custos. Mudanças na idade da aposentadoria e a incerteza sobre as pensões significa que muitos profissionais com mais de 60 anos querem trabalhar mais tempo e continuam a ser parte integrante de uma empresa para os próximos anos “, conclui Young.

Enquanto quase metade (43,1%) dos 503 CEOs entrevistados no Reino Unido  afirmam investir em formação de pessoal de todas as idades, a realidade é que isso não está acontecendo, apenas 8% dos chefes admitiram o investimento na formação de pessoal com mais de 60. Três quartos das empresas de menor dimensão (500 funcionários) tem maior probabilidade de investir em formação para todos e menos da metade das empresas de maior porte (<1.500) preparam-se para investir em desenvolvimento dos colaboradores.

“As empresas britânicas estão colocando seu futuro em risco por não investir na geração mais velha e esta mudança na demografia potencial dos empregados deve ser um catalisador para que as empresas repensem suas soluções de treinamento e alocação de orçamento antes que um maior déficit de competências surja”, continua Young.

O estudo britânico entrevistou 503 CEOs de empresas com mais de 250 trabalhadores, em 13 setores de atividade.

Fonte: http://www.trainingzone.co.uk

Interessante e atual esta matéria, todos estamos celebrando a longevidade da força de trabalho, afinal, é bastante salutar esta mistura de gerações nas organizações, o vigor da mocidade e a experiencia que só os cabelos brancos trazem. Vejo com bons olhos a discussão, pois mostra o combate ao velho paradigma que reza que “cachorro velho não aprende truque novo”, revigora a vontade dos colaboradores e prepara o campo para trabalhadores que, em breve, chegarão aos 60 anos.

E você, gostaria de continuar aprendendo, após os 60?

Abraços

Claudio Moreira


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *