Dirigente é forte candidato à presidência da entidade máxima do vôlei mundial. Foto: CBV/ Divulgação Dirigente é forte candidato à presidência da entidade máxima do vôlei mundial

Candidato à presidência da Federação Internacional de Voleibol (FIVB), Ary Graça aproveitou o Congresso Mundial promovido pela entidade, em Anaheim, nos Estados Unidos, para apresentar seu projeto de crescimento para as federações emergentes na modalidade: a Universidade Corporativa do Voleibol (UCV).

“Devemos fazer isso na América do Sul e em todo o mundo, pois é uma solução barata e eficiente para todos. Não devemos pensar apenas em nós, mas em toda a comunidade do voleibol. É possível contribuir para o desenvolvimento de todos e a Universidade do Voleibol é um caminho para isso”, afirmou Ary, que atualmente preside a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV).

Inaugurada este ano, a UCV tem o objetivo de formar e capacitar profissionais para atuarem em diversas áreas do voleibol. A instituição visa alcançar todo o território brasileiro e para isso utiliza modernos e acessíveis recursos de ensino à distância. Ao todo, possui 13 escolas para capacitação nas áreas de arbitragem, administração, competições esportivas, centros de treinamento, comunicação, direito desportivo, finanças, pessoas, gestão de eventos, marketing, tecnologia no esporte, treinadores e VivaVôlei.

“O modelo adotado pela UCV não demanda grandes investimentos e pode ser adaptado para diversas regiões do mundo. Estamos aplicando com sucesso essa ideia em um país de dimensões continentais. É possível propagar essa ideia”, disse Ary, que saberá o resultado da eleição à presidência da FIVB nesta sexta-feira, no último dia do congresso.

Além do brasileiro, outros dois candidatos concorrem ao cargo: Chris Schacht, da Austrália, e Doug Beal, dos Estados Unidos. Ary Graça, por sua vez, possui o apoio das cinco confederações continentais para o pleito da próxima sexta.

Fonte: http://esportes.terra.com.br