Bom dia leitores do meu site, compartilho com vocês um ótimo texto publicado no site http://www.trainingzone.co.uk.

Boa leitura e excelente final de semana.

Claudio Moreira

Tendo sido criado em uma família de contadores de histórias, as histórias estão no meu sangue desde o dia em que eu comecei a entender a linguagem da narrativa. Ser capaz de explorar o comportamento humano e as diferenças culturais através de histórias sempre me fascinou, então, quando eu escutei um webinar envolvendo Pat Kenny, gerente nacional de e-learning do Health Service Executive, que versava sobre histórias em e-learning, ela me fez pensar.

De acordo com Clarke & Rossiter, em adultos, existem três maneiras de aprender através de histórias: histórias ouvidas, histórias contadas e histórias reconhecidas. Aqui está como eu interpreto cada uma delas:

Histórias ouvidas – mais conteúdo e experiências pessoais?

A conexão que eu faço das histórias através de um personagem, uma palavra, uma situação ou uma imagem evoca uma ligação imediata através da familiaridade. Não é a minha história, mas há algo familiar – algo que eu sei, ou que eu tenha experimentado, que forma uma conexão instantânea.

Ao projetar soluções de e-learning, não devemos só usar cenários, mas estender isso para histórias pessoais. O webinar discutiu como as reclamações dos pacientes e suas histórias foram fundamentais para permitir que os profissionais de saúde compreendessem suas experiências e assim pudessem mudar a forma como eles recebiam os cuidados. Por empatia com os pacientes, os profissionais de saúde encontraram uma nova motivação para mudar sua forma de trabalhar.

Histórias contadas-Tente incorporar as histórias dos alunos em e-learning

Eu vejo minha vida como uma enciclopédia de pessoas, lugares, interações, cheiros e sons que eu marco na minha mente como histórias. Nossas histórias de vida nos ajudam a construir significado sempre que experimentamos algo novo. Todos nós compartilhamos nossas histórias, no bar, na sala de aula, em casa, no trabalho – em todos os lugares que vamos.

Compartilhar histórias é uma interação social. Há uma familiaridade, uma forma abreviada, um espaço para a troca cultural.

Muitas vezes se sente uma necessidade de fazê-lo porque é uma forma indispensável de criar laços entre as pessoas. Devemos usar esse comportamento para melhorar os programas de aprendizagem. Por que não incorporar as histórias dos alunos no processo de encenação?

Histórias auto-reconhecidas – A chave para a mudança de comportamento

Uma pesquisa realizada no nosso curso de resiliência mental para TfL explicitou bem a questão. 85% disseram que cenários realísticos podem ser contextualizados com histórias pessoais. Este expediente ajudou 70% dos participantes a implementar mudanças de longo termo.

Esta citação da história de Octavia E Butler  A Parábola do Semeador sintetiza o efeito que as histórias experimentais pode ter sobre indivíduos e organizações.

Tudo o que você toca

Você Altera

Tudo que você altera

Muda você …

Categorias: -

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *