Olá amigos leitores do meu site, como vão? Sejamos honestos, poucos são os que encaram mudanças naturalmente. Aquela máxima do mundo dos negócios é mais do que verdadeira, “as pessoas não gostam de mudanças”. Mas será que elas não gostam por birra pura e simples ou algum outro motivo às impele para a negativa teimosa?

O primeiro passo para obtermos sucesso em qualquer programa de mudança é explicar aos colaboradores a importância da mudança com todos os benefícios pretendidos à longo prazo. A comunicação precisa ser cuidadosamente gerida e comunicada a todas as partes afetadas, havendo também, de alguma forma, um período de consulta onde as pessoas possam expressar suas preocupações e contribuir com seus pensamentos, idéias e opiniões.

Ok, até aí nenhuma novidade, o manual de bom senso manda fazer isso tudo, o que não responde à pergunta: por que as pessoas resistem à mudança? Abaixo estão os dez principais motivos pessoas citam quando perguntadas por que elas se opõem à mudança:

  • O que EXATAMENTE vai mudar? Se os seus colaboradores não entendem os motores da mudança, então você só pode esperar resistência, especialmente daqueles que acreditam fortemente que a forma atual de fazer as coisas funciona bem e acham que “se não está quebrado não conserte!”
  • Sinta o medo.  Uma das razões mais comuns para a resistência é o medo do desconhecido. As pessoas só vão tomar medidas ativas para o desconhecido se elas realmente acreditam e sentem que os riscos ficar parado são ainda maiores do que os de avançar.
  • O que vai sobrar de bom pra mim? Quando os benefícios e recompensas para fazer a mudança não são vistos como adequados para o trabalho envolvido, o resultado é conhecido…
  • Você não pode ensinar a cães velhos truques novos. Este é um medo que as pessoas raramente admitem, mas, às vezes, a mudança em uma organização pode significar mudanças nas habilidades, e algumas pessoas vão sentir que  não serão capazes de fazer a transição.
  • “Mas nós amamos a velha forma.” Se você perguntar às pessoas em uma organização se querem fazer as coisas de uma maneira nova, o que pode parecer um caminho racional, encontrará conexões sólidas com a velha forma de fazer as coisas – não subestime isso.
  • “Ih, esquece, é apenas uma moda passageira.” Quando as pessoas acreditam que a iniciativa de mudança é uma moda temporária, certamente não irão se envolver.
  • “Ninguém me perguntou.”  Se as pessoas sentem que são parte da mudança, há menos resistência. As pessoas gostam de saber o que está acontecendo, especialmente se seus empregos podem ser afetados. Os funcionários informados tendem a ter níveis mais elevados de satisfação no trabalho e quando se trata de gestão de mudanças, não existe excesso de comunicação.
  • ‘Não mude minha rotina. “  Somos seres humanos, amamos a rotina, ela nos faz sentir seguros. Portanto, é normal oferecer resistência sempre que somos convidados a fazer as coisas de forma diferente.
  • “É tudo tão desgastante.”  Não confunda o cumprimento com a aceitação. As pessoas que são oprimidas pela mudança, resignam-se e vão junto com o fluxo. Você tê-los de corpo presente, mas não terá seus corações.

A colaboração é vital em qualquer programa de gerenciamento de mudanças, por isso, se possível realize um teste em um grupo piloto de colaboradores para garantir que mais pessoas comprem o processo. Certifique-se de manter as pessoas informadas sobre o programa e em que fase ele se encontra. Não deixe-os sentir que  estão sendo mantidos no escuro, pois isso irá convidá-los à resistência.

Gerir uma mudança organizacional pode ser bastante desgastante, mas se soubermos atuar em cada um dos motivos que gera esta mudança, reduziremos as chances de fracassar e nossa missão.

E você? Já teve que lidar com alguma mudança complicada em sua empresa? Como agiu? Compartilhe sua experiência!

Sds

Categorias: Conteúdos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *