Bom dia amigos leitores do meu site, compartilho com vocês este instigante texto sobre aprendizados e “desaprendizados” no ambiente de trabalho. Independentemente das posições da autora, que podem gerar paixões diversas, os pontos abordados são bastante úteis para várias reflexões sobre nosso cotidiano profissional.

Boa leitura

Claudio Moreira

5 coisas que você precisa desaprender para ter sucesso no trabalho

 

Por Penelope Trunk*

Um grande tema na minha vida foi o quanto eu tive que desaprender até decidir adotar o homeschooling para meus filhos.

Eu tive que desaprender todas as minhas suposições sobre atenção aos filhos (verifiquei que as crianças não precisam de professores, eles precisam de amor ). Desaprendi minhas suposições sobre auto-gestão (formação generalista é uma meta ultrapassada ). E eu tive que mudar minhas suposições sobre quanto respeito cada criança merece (a liberdade de escolher o que aprender é um direito fundamental).

Agora que eu adotei o homeschooling, eu entendo por qual razão é traumática para a maioria dos jovens a entrada no mercado de trabalho, afinal eles têm que desaprender muitas coisas da escola , a fim de sobreviver na vida adulta.

Não importa qual sua idade quanto mais rápido você começar o seu desaprender, mais rápido você pode livrar-se dos pesos que irão impedi-lo de avançar numa força de trabalho baseada no conhecimento atual. Na minha opinião estas são as cinco coisas que a maioria das pessoas precisam desaprender.

1. Suportar o aprendizado forçado
A última tendencia da geração Y é a aprendizagem compulsiva , onde você se torna tão interessado no que você está fazendo que não quer parar até que tenha aprendido tudo. Mas a única maneira possível de aprender compulsivamente é sabendo como encontrar materiais educativos por seu próprio esforço e escolher a seqüência desses materiais que funciona melhor para você.Isso significa que você não pode pedir para alguém escolher os passos para você.

No local de trabalho, para criar o nosso próprio valor, devemos criar nosso próprio caminho de aprendizagem. Você tem que desaprender o hábito de esperar ser dito o que vem a seguir na sua educação, se você quiser tomar o controle de sua vida adulta.

2. Estudar para obter notas altas no teste 
Na vida adulta não existem notas . Às vezes a vida adulta dá promoções ou prêmios  (se você é bom em vendas você pode ganhar uma viagem para o Havaí com sua família), mas, em geral, a recompensa da vida adulta é ser capaz de encontrar um caminho que é bom para você e colocar-se nele. Não há nenhum tipo de nota por isso, porque a única pessoa que pode julgar se aquele caminho é bom ou não é você.

O ato de tomar decisões independentes das notas é completamente oposto a tudo o que a escola representa, já que se você está fazendo um trabalho que não vise ganhar um A, então você está completamente desconexo do que se espera de você em sala de aula, assim, a escola ensina que você deve estudar o que está em teste. O trabalho é o oposto. O que importa nunca vai cair na prova.

3. Investir nas auto-descoberta em suas férias
Para aqueles que não tem a vida de Príncipe William e Príncipe Harry , um ano sabático é quando alguém termina o ensino médio e tem um ano de folga antes do estudo universitário, provavelmente porque não aprendeu sobre si mesmo enquanto estava estudando. Investir tempo para aprender sobre si mesmo é importante o suficiente para tomar um ano inteiro.

Realmente é verdade que normalmente não se aprende sobre si mesmo quando se está estudando, porque se as pessoas lhe dizem o que estudar, então você não ganhar a introspecção em quem você é. Mas se você tirar um ano para aprender sobre si mesmo, você reforça a idéia de que a educação e auto-conhecimento são duas coisas completamente diferentes.

No entanto, no mercado de trabalho, educação e auto-conhecimento através do trabalho são os bilhetes individuais para a felicidade adulta . Se você não está sincronizando aprendizado e auto-realização, se sente que não se movem juntos, você sempre vai se sentir como se estivesse faltando alguma coisa.

4. Dizer alguma coisa, mesmo quando não há nada a dizer
Na sexta série minha professora deu-nos uma lista de tópicos sobre a Mesopotâmia um texto de dez páginas. Quando ela chegou ao tema da medicina na Mesopotâmia, ela disse que era difícil. Eu escolhi essa.

Trouxe-o para casa para o meu pai e minha mãe que sabem quase tudo sobre tudo e eles disseram: “Medicina na Mesopotâmia? Não havia nenhuma. Que é que você vai escrever sobre isso?” Nós fizemos um monte de pesquisas para determinar que, na verdade, não havia dez páginas a serem escritos sobre medicina na Mesopotâmia por isso só chegamos a cinco.Então eu aprendi a arte de escrever besteira por dez páginas sobre a medicina na Mesopotâmia.

Paul Graham, um dos investidores dos grandes investidores em startups no meio universitário, fala sobre “yammering”, a abordagem forçada sobre temas sobre os quais você não tem nada a dizer e que acabam afetando-o negativamente no mercado de trabalho. Ele fala sobre jovens que têm grandes ideias para startups e e acham que é hora de levantar o dinheiro, fazendo com que se obriguem a começar a falar sobre por que é hora de levantar o dinheiro quando, na verdade, não é hora de levantar o dinheiro. Eles não têm nada a dizer sobre o levantamento de dinheiro. Eles devem focar apenas em seu dever de casa fazendo a sua ideia virar um negócio.

5. Usar jogos de vídeo como uma recompensa para as tarefas realizadas.

Está na moda os pais a usarem videogames como uma recompensa para os filhos terem feito o trabalho escolar. O fato é que os jogos de vídeo, na verdade, ensinar habilidades importantes para o trabalho. E as crianças que jogam videogames performam melhor que os adultos .

É muito bom saber que alguns gestores de RH entendem que alguns jogos exigem empenho e estratégia de longo prazo , e isso favorece as pessoas que entendem como alternar entre diferentes tipos de tarefas que requerem diferentes tipos de pensamento.

Os pais precisam desaprender a escolaridade, a fim de que seus filhos não precisem desaprender a escolaridade, a fim de trabalhar.

*Penelope Trunk é co-fundadora da Brazen Careerist, uma ferramenta de gestão de carreira para os profissionais de última geração.

Adaptado de http://homeschooling.penelopetrunk.com


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *