Gardner disse desde o início que poderia haver outras inteligências dignas de inclusão no modelo. Notavelmente Gardner discutiu a Inteligência Naturalista (de percepção e relacionamento com o meio ambiente natural); Inteligência Espiritual ou existencial (como diria respeito a uma relação com Deus do universo ou, dependendo de uma filosofia pessoal);e Inteligência Moral (um da relação com outros seres vivos e o seu bem-estar).

Assim, o modelo é extensivo às modernas idéias além das enumeradas com base nas sete inteligências. Como já foi discutido, definir inteligências adicionais, não é fácil. Mas eles existem, e as pessoas possuem capacidades, potencialidades e valores muito além das sete “múltiplas inteligências” originais.

Gardner sabia – como podemos ver agora – que a sua teoria das inteligências múltiplas deixava algum espaço para expansão, no entanto, enquanto muitos ainda estão presos no QI e no trinômio “Leitura Escrita e Aritmética”, a sete inteligências são um bom primeiro passo para valorizar e desenvolver as pessoas de uma forma construtiva e mais compassiva.

Se o primeiro nos concentrarmos em incentivar as escolas e a indústria a pensar além do QI e do trinômio exposto acima – talvez em breve possamos estar prontos para a moralidade e espiritualismo.

Modelo Vak (visual, auditory, kinesthetic)- estilos de aprendizagem visuais, auditivos e cinestesicos

O modelo de estilos de aprendizagem Vak (ou VARK ou VACT) e os testes relacionados vak / VARK / VACT oferecem métodos razoavelmente simples e acessíveis para entender e explicar as maneiras de aprender preferenciais das pessoas. Às vezes pessoas bem-intencionadas  as irão escrever que a utilização de tais modelos e os testes pode ser problemática. Isto é verdade, claro, com qualquer ferramenta se a dependência é colocada indevidamente sobre a metodologia, ou se os resultados dos testes são tratados como absolutos e exclusivos de outros estilos e considerações na combinação global de personalidade e necessidades de uma pessoa.

Como acontece com qualquer método de aprendizagem ou ferramenta, deve-se utilizar o vak e outros estilos com cuidado. Os conceitos são uma ajuda, não um dogma a ser seguido e aplicado rigidamente.

A explicação e compreensão das Sete Inteligências de Gardner pode ser ainda mais iluminada e ilustrada por outro modelo clássico da inteligência e da aprendizagem, conhecido como “Visual-Auditivo-Cinestesico” ou “inventário”, normalmente abreviado para Vak. Alternativamente, o modelo é designado por Visual-Auditivo-Físico, ou Visual-Auditivo-Tatil/Cinestésico. O conceito, teorias e métodos do Vak (inicialmente também referido como VAKT, Visual-Auditivo-Cinestésico-Tátil) foram inicialmente desenvolvidos por psicólogos e especialistas em ensino como Fernald, Keller, Orton, Gillingham, Stillman e Montessori, e tem início na década de 1920. A abordagem multi-sensorial de aprendizagem e de ensino foi inicialmente focada no ensino de crianças disléxicas e outros alunos, para os quais os métodos de ensino convencional não foram eficazes. Os primeiros especialistas no modelo vak reconheceram que as pessoas aprendem de diferentes maneiras: como um exemplo muito simples, uma criança que não podia facilmente aprender palavras e letras pela leitura (deficientes visuais) poderia, por exemplo aprender mais facilmente através da detecção dos formatos das letras com seus dedos (cinestesia). A teoria Vak é a favorita da comunidade de aprendizagem acelerada, e continua – embora não tão fortemente como deveria fazer – no ensino e na educação dos jovens. O modelo de aprendizagem Visual-Auditivo-Cinestesico não solapa as múltiplas inteligências de Gardner; mas proporciona uma perspectiva diferente para compreender e explicar preferências ou estilo de pensamento e aprendizagem dominantes e pontos fortes numa pessoa. A teoria de Gardner é uma maneira de olhar os estilos de pensamento;o Vak é outra.  

estilo de aprendizagem descrição
Visual observação e leitura
Auditivo ouvir e falar
Cinestesico tocar e fazer

De acordo com o modelo vak, a maioria das pessoas possui um estilo dominante ou preferido de aprendizagem, no entanto, algumas pessoas têm uma mistura uniformemente equilibrada dos três estilos.

O estilo de aprendizagem de uma pessoa é um reflexo de sua combinação de inteligências e também um reflexo de seu tipo de cérebro e dominância para qual uma maravilhosa perspectiva é fornecida por Katherine Benziger no seu modelo de dominância cerebal.

Também é útil olhar para o modelo de estilos de aprendizagem de Kolb

O modelo Vak proporciona um fácil e rápido inventário para referência e avaliação dos estilos de aprendizagem preferidos, e, mais importante ainda, a concepção de métodos de aprendizagem e experiências que combinam com as preferências das pessoas:

  • Estilo de aprendizagem Visual: envolve a utilização de coisas para ser vistas ou observadas, incluindo fotos, diagramas, demonstrações, exposições, apostilas, filmes, flip-chart, etc
  • Estilo de aprendizagem Auditivo: envolve a transferência de informação através da escuta: a palavra falada ou outros sons e ruídos.
  • Estilo de aprendizagem Cinestésico: envolve experiência física – tocar, sentir, explorar,aprender fazendo e experiências “hands-on“.
A palavra “cinestesia” descreve o sentido da sensação de movimento muscular – físico em outras palavras. Cinestesia e cinestésico são palavras derivadas do grego kineo, que significa movimento, e aísthesis, que significa sensação. Cinestesia, portanto, descreve um estilo aprendizagem que envolve a estimulação dos nervos, músculos, articulações e tendões.

É fácil começar a avaliar o seu próprio estilo (ou de outra pessoa) de aprendizagem através do modelo Visual-Auditivo-Cinestésico.

 

Publicações relevantes e referências:

 

One Way To Make Social Scientist – Howard Gardner, 2003

Multiple Intelligences: Theory in practice – Howard Gardner, 1993

Frames of Mind: Theory of multiple intelligences – Howard Gardner, 1983

Intelligence Reframed: Multiple Intelligences for the 21st century – Howard Gardner, 1999

Leading Minds: An anatomy of leadership – Howard Gardner, 1995

The Shattered Mind – Howard Gardner, 1975

Howard Gardner and Multiple Intelligences – Mark Smith, 2005 (Encyclopedia of Informal Education, www.infed.org)


Deixe uma resposta