Confesso que pensei duas vezes antes de postar o texto abaixo, procurava algo sobre conflitos organizacionais e à princípio considerei o texto um tanto piegas, mas depois de uma segunda lida, desta vez mais atenta, vi muito valor na essência das palavras. É interessante lembrar a origem da palavra EMPRESA. Ela vem do Italiano IMPRESA “atividade a que uma pessoa se dedica”, do Latim EMPREHENDERE, formado por EM-, “em”, mais PREHENDERE, “pegar, capturar, levar diante de si, segurar” (do site http://origemdapalavra.com.br). 

Pessoas se dedicando a uma atividade requer harmonia, sinergia, direção única, o que nem sempre é simples, vista a complexa tarefa que é unir pessoas de valores, crenças, capacidades e motivações diferentes, uma tarefa que regularmente leva a conflitos. Num ambiente desafiador, o conflito não é necessariamente ruim, pensamentos diversos produzem ideias novas, frescor no ambiente, o grande problema é o atrito, esse sim gerador de rusgas improdutivas. Todas os textos, técnicas e teorias que se levantem acerca da necessidade de evitar o atrito nas empresas passarão pela imperativo da cura do ressentimento e do perdão. Sob esta ótica, espero que apreciem o texto abaixo (de autor desconhecido).

Boa leitura,

Claudio Moreira

Eficácia Pessoal: Curando o RessentimentoO ressentimento é uma das emoções mais corrosivas conhecidas pelo homem. O ódio dos outros por causa de algo que aconteceu entre eles e nós bloqueia-nos no passado e nos condena a repetidamente voltar a viver um momento de dor e sofrimento. Muitas vezes, nosso ódio continua muito tempo depois daqueles que são objeto de nosso ódio mudam: eles podem ter esquecido, enquanto nós ainda carregamos a dor. Ódio, não importa o quão justificada seja – e às vezes parece ser muito justificado – só nos prejudica, ninguém mais. Ele corrói-nos e nos impede de avançar para a plena aceitação de nós mesmos e dos outros.

Ressentimento: “O muro de separação”

Uma história sobre dois irmãos que herdaram uma mercearia.

Um dia, um dos irmãos deixou uma nota de dólar em cima do balcão, mas quando voltou ela havia sumido. Com mais ninguém na loja, ele acusou seu irmão de tomá-la. O outro irmão negou veementemente. Ânimos exaltados e, a discussão continuou. No final, um irmão não tinha mais condições de trabalhar com o outro e assim eles construíram uma parede divisória entre eles.

Por 20 anos, os dois irmãos nunca se falaram. E então um desconhecido entrou na loja e relatou como muitos anos antes que, como um estudante sem dinheiro e com fome, ele havia pego uma nota de dólar no balcão. A história relatada aos irmãos ocasionou a derrubada do muro e sua reconciliação.

Alcançando a cura do ressentimento

A história dos dois irmãos é um lembrete de que a nossa resposta normal a erros percebidos para nós é quebrar o contato com os outros como um castigo, uma ameaça ou uma maneira de forçar os outros a responder a nós em primeiro lugar. Infelizmente, raramente o fazem.

No filme “Esqueceram de Mim”, o Kevin de 7 anos de idade (interpretado por McCauley Culkin) é erroneamente deixado em casa quando seus pais saem de férias para a Europa no Natal. Sozinho em casa, Kevin encontra um homem de idade na igreja local que é incapaz de passar o Natal com sua família por causa de um erro cometido muitos anos antes. Com franqueza infantil simples, Kevin sugere que ele deve procurar seu filho e falar com ele. Apesar de seus anos de vivencia, o homem tem dificuldade em fazer o primeiro movimento, embora ele queira desesperadamente. No final, ele faz, ele estende a mão.

Aceitar onde estamos e entender que somos capazes de fazer mudanças para deixar antigas posições insatisfatórios para trás e seguir em frente é uma forma de cura.

A chave para a cura do ressentimento

A chave para a cura do ressentimento é o perdão, que eu sempre penso como um “presente” para os outros (inclusive nós mesmos). Aqui estão algumas maneiras de praticar o perdão:

• Assuma seu ódio, não culpe os outros pela forma como você se sente. Não diga: “você me fez odiá-lo”, mas “o que você fez foi tão terrível que estou sentindo ódio”.

• Reconheça que o ódio não pode ferir ninguém exceto você

• Experimente trocar seu ódio por um ato de perdão. Se você gosta de rituais, envie um buquê de flores ou um presente pequeno com uma nota de conciliação para a outra pessoa.

• Fazer o mesmo por você mesmo, pare de se punir por não ser perfeito.

• Pense em pessoas que tiveram uma causa real para o ressentimento, talvez devido à perda de entes queridos em circunstâncias trágicas, mas que foram grandes o suficiente para perdoar.

• Garanta para seu ressentimento um enterro digno e siga em frente com o resto de sua vida.

 “Ser ofendido não tem importância nenhuma, a não ser que continuemos a lembrar disso”. Confúcio 

Adaptado de http://www.managetrainlearn.com

Categorias: -

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *